Confira as últimas notícias sobre a Transal e o mercado de transportes.

11/01/2011

Simulador mostra riscos dos motoristas que dirigem sem cinto

Um simulador especial instalado em Goiás está mostrando por que o uso de um equipamento obrigatório de trânsito é tão importante.

Um simulador especial instalado em Goiás está mostrando por que o uso de um equipamento obrigatório de trânsito é tão importante.

Para a viagem, tem motorista que só pensa no conforto. “Completo: tem ar condicionado, direção. O cinto de segurança eu esqueci. Tem que colocar”, diz o corretor de imóveis Colemar da Cruz Machado.

É um erro grave: “Nós temos percebido que a maior causa das mortes não é o tombamento ou a saída de pista em si, é a falta do cinto de segurança que agrava a situação e leva à morte dos passageiros”, diz o instrutor Pércio Prado.

Só nas rodovias federais, no ano passado, a polícia multou quase 180 mil motoristas e passageiros pela falta do cinto. E para mostrar que o equipamento pode salvar vidas, instrutores levaram para a estrada um simulador que reproduz um capotamento.

Por reflexo, motoristas se agarram ao volante, passageiros tentam segurar em algo, mas veja que mesmo com as mãos soltas, o cinto mantém a pessoa presa ao banco. “Girando, virando o seu corpo, você fica desesperado, não sabe o que fazer. Mas eu senti que o cinto de segurança estava me prendendo de maneira correta”, conta a secretária Valdélia de Deus Coutinho.

É quando o carro está de cabeça para baixo que motorista e passageiro, num capotamento de verdade, percebem que o uso do cinto de segurança pode evitar pelo menos duas situações: que alguém se machuque dentro do carro ao bater em algum objeto ou seja arremessado pra fora.

Na aula com o simulador, o instrutor ensina como sair do carro: coloque as mãos no teto para proteger a cabeça, apóie as pernas também no teto. E só depois, já bem apoiado, solte o cinto, que geralmente fica travado após o acidente.

“O cinto ele trava porque o seu peso está fazendo a trava realmente segurar o seu corpo. Se você tentar soltar essa trava com ela segurando seu corpo, você não vai conseguir. É onde as pessoas apavoram, querem usar uma faca, querem usar uma tesoura, que podem se machucar. Então essa técnica vai fazer o cinto aliviar na hora de soltar a trava”, explica o instrutor.

“A lição que fica é que existe um equipamento chamado cinto de segurança. E ele não está ali à toa. Se ele está ali, é pra ser usado”, diz o instrutor de segurança no trânsito Cícero Romão Alves Paiva.


Fonte: Brasil Caminhoneiro


Outras notícias