Confira as últimas notícias sobre a Transal e o mercado de transportes.

10/02/2009

Ronda Transal - Mundo

Obama diz que só o governo pode ressuscitar economia e apela por aprovação de plano.

"O governo federal é a única entidade que tem os recursos para ressuscitar a economia norte-americana." O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, mostrou na sua primeira entrevista coletiva na Casa Branca, nesta segunda-feira (9), que o país rompeu mesmo com os ideais conservadores da economia para poder sair do "espiral negativo" da crise. "Não fazer nada pode transformar a crise em uma catástrofe."

Ao defender um maior intervencionismo do governo na economia, Obama voltou a pedir para que o Senado a aprove seu plano econômico, de cerca de US$ 827 bi e convocou a população do país a apoiá-lo.

Apenas o governo que pode quebrar o ciclo vicioso no qual a perda de empregos leva as pessoas a gastarem menos dinheiro, e, consequentemente, a mais demissões. Quebrar esse ciclo é exatamente o que o plano que está tramitando no Congresso foi desenhado para fazer", afirmou.

Antes de começar a responder as perguntas dos jornalistas, Obama defendeu seu plano dos ataques republicanos, que dizem que o pacote vai fazer o país gastar ainda mais sem criar empregos.

"O plano não é perfeito. Nenhum plano é. Não posso dizer que tudo no plano vai funcionar como planejado, mas eu posso assegurar que se falharmos em fazer algo, a crise vai piorar, assim como a dor sentida por milhões de norte-americanos", afirmou.

Empregos
Apesar de afirmar que o governo é obrigado a intervir quando o setor privado está enfraquecido, Obama afirmou que dos 4 milhões de empregos que pretende criar com o plano, 90% serão destinados ao setor privado. "O plano que emerge do Congresso precisa ser grande e forte o suficiente para ir de encontro ao desafio econômico que temos em nossa frente."

Obama lembrou a visita que fez, durante o dia, a Elkhart (no Estado de Indiana), cidade onde a população perdeu emprego com mais rapidez em relação ao restante dos Estados Unidos , e comparou a situação de seus habitantes com a do resto do país. "Milhões de norte-americanos estão com a vida de cabeça para baixo. Não conseguem pagar as contas e pararam de comprar. Porém, tenho confiança que trabalhando conjuntamente iremos conseguir sair dessa", disse.

Críticas
Assumindo um tom mais crítico, Obama disse que os bancos são os grandes culpados da crise financeira "mais grave desde a Grande Depressão" por ter assumido riscos "exorbitantes" com a compra de títulos com a qualidade duvidosa. Além disso, o presidente também criticou a intervenção de seu antecessor, George W. Bush, na economia do país.

Para corrigir os erros de Bush, Obama lembrou que seu secretário do Tesouro, Timothy Geithner, irá explicar, na terça-feira, como sua administração irá utilizar os US$ 350 bi restantes do plano de Bush.


Fonte: UOL Notícias


Outras notícias