Confira as últimas notícias sobre a Transal e o mercado de transportes.

07/12/2007

Óleo reciclado vai ser transformado em biodiesel no DF

O óleo utilizado pelos moradores da quadra 305 da Asa Sul, região de classe média de Brasília, passará a ser reciclado e transformado em biodiesel. O projeto foi desenvolvido pelo consultor ambiental Emanuel Fonseca, morador da quadra, preocupado com a preservação ambiental.

"Onde eu estiver, no planeta, eu tenho que respeitar o meio ambiente. E, para respeitar o meio ambiente, só com educação ambiental, com conhecimento", afirmou Fonseca.

Para o funcionamento do projeto, a prefeitura vai colocar um galão de 50 litros no térreo de cada prédio, no qual os moradores poderão depositar o óleo.

Até fevereiro de 2008, o material será apenas armazenado. Depois disso, começará a gerar emprego por meio de uma usina de biodiesel que deve ser inaugurada em março, na Ceilândia, cidade próxima da capital. Também será criada uma cooperativa, como oportunidade de trabalho para quem quiser recolher o óleo de casa em casa.

"De início nós vamos gerar de 40 a 70 empregos diretos e, em breve, praticamente 11 mil empregos indiretos", revela o diretor da empresa que será responsável pela coleta, Paulo Miranda.

Na entrada da quadra, os moradores recebem panfletos e vasilhames de cinco litros para despejar as sobras. Na quadra pioneira, cada um dos 372 apartamentos deve doar cerca de dois litros por mês. Uma atitude tanto ecologicamente correta como econômica, uma vez que o condomínio não terá mais que contratar empresas para desentupir a tubulação do prédio, que era prejudicada pelo despejo de óleo nas pias.

"Uma outra vertente, que eu acho muito importante, é o óleo não ir para o esgoto, para as caixas de gordura, para os canos, que é um tipo de `colesterol do encanamento`. A outra é o fato de evitar que esse óleo vá parar nos rios", lembra a secretária executiva Daisy Ribeiro, moradora da quadra.

A idéia é implantar o projeto em todas as quadras do Plano Piloto, área central de Brasília.



Fonte: CNT


Outras notícias